Poesia, fotografia, conto, dramaturgia, romance... O catálogo da Mocho Edições transita por variadas expressões artísticas.

ARGHVAN

Moacir Amâncio

"Arghvan", longo poema narrativo em inglês publicado originalmente no livro Ata (2007), encontra-se agora reeditado e publicado pelo selo de tradução literária Pythia, da Mocho Edições, em forma de livro bilíngue, com tradução para o hebraico de Michal Held Dalaroza. A edição também conta com prefácio bilíngue (inglês e hebraico) da tradutora e apresentação de Yair Mazor. POESIA

ODE A LORCA & OUTROS POEMAS

IkaRo MaxX

Ode a Lorca, sexto livro de IkaRo MaxX, como diz Roger Tieri no prefácio, "é uma ode de um poeta vivo a um poeta morto, ode que reluz na fogueira das páginas trágicas que batizam o vento a cada vez que são viradas. Mas, cuidado, não se engane, nitidamente quem está vivo é Lorca – IkaRo MaxX morre a cada verso". Coleção Panfletos poéticos. POESIA

HURRICANE MUSIC

Sean Negus, tradução de Rodrigo Bravo.

Mas que música seria essa que nomeia o furacão? Se nos lembrarmos do que observa Fernando Pessoa, por meio de seu heterônimo Bernardo Soares, no Livro do Desassossego, poesia é a música da ideia. E é essa, acredito, a essência do Furacão Música de Sean Negus, perceber a beleza no caos dos signos e símbolos que perfazem a cultura e a vida humana e dele extrair sua música, sua própria forma de poesia experimental (trecho do Prefácio de Rodrigo Bravo). POESIA

O SILÊNCIO DE CASSANDRA

Ravenna Veiga

Na mitologia grega, Cassandra é a profetisa amaldiçoada por Apolo ao recusá-lo: é condenada a prever a desgraça e não ser acreditada. Diante de um mito fundante para pensar a deslegitimação das vozes femininas, a obra é constituída por contos criados a partir de experimentos corporais. Cassandra caminha pelas ruas de São Paulo como dispositivo que permeia um eu-lírico instável. Vários sujeitos se comunicam através do corpo-oráculo: Hécuba, Polixena, Helena, Ifigênia, Clitemnestra e outras personagens presentes nas obras de Eurípides e Ésquilo. Mulheres míticas aparecem nestas páginas como vozes da metrópole. A história da queda de Troia e do presente dado pelos gregos é apresentada em narrativas fragmentadas de um país que ignorou os avisos dos oráculos,
provocando o massacre dos seus. Colagens (capa e miolo) de Michele Alves. CONTOS PERFORMÁTICOS

PERVERTIDOS

Sabine Mendes Moura

Pervertidos, segundo romance de Sabine Mendes Moura, reconstrói o tempo, pervertendo-o. A princípio nos sentimos perdidos, pois o fio narrativo é fragmentado pela memória, que irrompe, como na vida. Afinal de contas quem vive realmente um tempo linear? Somos com frequência assaltados por lembranças, que não nos deixam agir como autômatos. O tempo, sucessivamente dilatado e contraído, por meio da memória, faz de nós o que somos: um bloco de afetos.
E, por serem blocos de afetos, nos interessamos por Gabriela, Rafael, Bia e Clarissa, personagens de Pervertidos, e queremos decifrá-los, saber para onde vão, o que se passa e o que se passou, até percebermos que suas memórias permitem recolher e (re)construir vestígios de vivências em múltiplas interpretações. ROMANCE
.

A HISTÓRIA DO GOZO E OUTROS CANIBALISMOS

Layla Loli

A história do gozo e outros canibalismos, obra de estreia da poeta e “teatreira” Layla Loli, reúne 38 poemas e 11 fotografias, que, quando se encontram, sussurram e trocam confidências. Os poemas são uma espécie de jornalismo corporal, histórias de um livro sagrado dos nervos ou, como diria Glauber Rocha, H(eu)stórias. Com as orelhas sensivelmente escritas pela vencedora do Prêmio São Paulo de Literatura 2018, Aline Bei, o livro oferta, em primeiro plano, o corpo, sem nhenhenhém pequeno-burguês, deslocando, ao contrário, todas as forças que o atravessam, eróticas, políticas e econômicas. POESIA E FOTOGRAFIA.

SCIENCE IS SEXY

TW Jonas

    O fotolivro Science is sexy – de autoria de TW Jonas – é uma obra que mimetiza o cotidiano sujo e maculado dos cadernos de laboratório. 
    As fotografias foram produzidas com um microscópio invertido Nikon TE 300 e uma velha Minolta Maxxum 7000.
    Os textos são comentários urológicos e ginecológicos pervertidos, tornados poemas, que, por excesso de tecnicidade e frieza, acabam produzindo um efeito cômico. POESIA E FOTOLIVRO.

MATRIOSKA

Fernanda Gama

É a apresentação de fim de ano do grupo de teatro da escola. A peça é A Gaivota, um texto velho e meio chato que ninguém queria fazer, mas o professor insistiu muito. Quatro meninas ficam nos bastidores quase o tempo todo porque não tem papel para elas. Elas precisam fazer o tempo passar. E através de suas conversas entendemos o que se passa com esse elenco: por que o ator que faria o personagem principal não veio, por que ninguém da turma quer falar com uma das protagonistas, por que o amor é essa coisa tão desejada e tão impossível, por que uma garrafa de vodka circulando pela coxia pode ser bom e ruim ao mesmo tempo, e por que alguns silêncios precisam acabar. TEATRO JOVEM

MINHA VIDA EM BRANCO

Cristina Pescuma

A obra 𝐌𝐢𝐧𝐡𝐚 𝐯𝐢𝐝𝐚 𝐞𝐦 𝐛𝐫𝐚𝐧𝐜𝐨, da historiadora Cristina Pescuma apresenta contos acompanhados por 31 produções visuais desenvolvidas por 20 fotógrafos e artistas gráficos. A capa é assinada pela fotógrafa, pesquisadora e artista gráfica Priscila Bellotti. Destacamos parte do Prefácio da poeta, compositora, escritora e editora Katherine Funke:

"No rio da poesia, Cristina pesca: uma, duas, trinta e uma cenas de personagens que vivem uma 'vida em branco'. No rio da poesia, Cristina percebe: a vida, essa página em branco, esse livro por escrever, dia a dia, sendo escrito aqui por 31 pessoas. Por 31 milhares, milhões de pessoas. E o que elas fazem – e o que nós fazemos das nossas vidas? É uma pergunta deliciosa, incômoda, uma constante neste livro. Gastamos com telas, com amores vãos, com dias repetitivos, com bebedeiras, com picos de lucidez? O que é a vida para os seres humanos ainda capazes de serem seres sensíveis, capazes de viver “sempre o abismo sempre o oco / sempre a fantasia sempre o sonho”?
[...] Os muitos personagens deste livro, sua autora, seus artistas, sua própria editora e esta prefaciadora pequenina aqui que vos escreve, não podemos sair da leitura sem estarmos agora conscientes da potência contida em nossas vidas em branco. Porque Cristina pescou 31 personagens conscientes e, às vezes, bastante incomodados com o absurdo do real."

CONTO E ARTES VISUAIS

 

Formulário de Inscrição

 Rua Caraíbas, 1206, ap. 34 

Perdizes, São Paulo - SP 

CNPJ: 37.856.400/0001-03

  • Facebook
  • Instagram