Mocho designa um grupo de aves de rapina de hábitos noturnos, voo silencioso, audição aguçada e visão circular, cuja potência, ao contrário do que muitos acreditam, não é maior após o crepúsculo. Durante o dia, esses belos animais costumam se refugiar em folhagens densas, reentrâncias de penhascos, rochas e rachaduras de troncos, mas também podem ser notados em áreas urbanas. Ao perceber alguma presença estranha, vocalizam e assumem postura de alerta. Suas orelhas deslocam-se uma em direção à outra, permitindo detectar a origem dos sons emitidos. Todas essas habilidades tornam a ave especialista

em caça de surpresa.

Inspirada em algumas dessas características, Mocho Edições busca praticar a ampla observação, a escuta atenta e o acolhimento das expressões artísticas contemporâneas nos campos da poesia, da literatura e das artes visuais, seja em publicações inéditas ou em releituras, para então transformá-las em livros que encontrem amparo em espíritos inquietos.

“Como os navios, homens e mulheres afundam de vez em quando. Apenas a memória os salva da dispersão completa. Poetas lançam suas muletas no torvelinho, palhas que os náufragos agarram enquanto mergulham para a extinção(...)”.

Nossa editora quer produzir livros-memória que, lidos em voz alta, soem intrigantes como as vocalizações do Mocho. Para a concretização dessas obras, buscamos ser, para os mais variados autores e leitores, um território para experimentações com as linguagens e os suportes materiais.